Esporte
>> SELEÇÃO BRASILEIRA
Mano exalta manutenção da base e projeta evolução
O técnico Mano Menezes viu as críticas sobre a seleção brasileira serem amenizadas com as goleadas por 6 a 0 diante do Iraque e 4 a 0 sobre o Japão, neste mês. Principalmente na segunda partida, a equipe conseguiu uma atuação convincente, que agradou o treinador e o fez decidir manter a mesma base de jogadores para o amistoso contra a Colômbia, no dia 14 de novembro em Nova Jersey, nos Estados Unidos.

“É importantíssimo poder manter a base de convocação de uma equipe que vai se repetindo em uma sequência boa. Poder enfrentar um adversário do nível da Colômbia, que vem fazendo uma grande campanha nas Eliminatórias, eleva o desafio. Poder utilizar a mesma base mais vezes vai dando parâmetros mais confiáveis”, comentou.
Talvez a principal mudança da seleção para as partidas contra iraquianos e japoneses tenha sido no meio de campo. Kaká voltou a ser convocado e de cara reconquistou seu espaço como titular, fazendo boa dupla de meias com Oscar. Para Mano, além da qualidade técnica de ambos, os dois jogadores foram importantes na marcação, já que a equipe atuou sem um volante de marcação - Paulinho e Ramires completaram o meio de campo.

“O que tivemos oportunidade de ver foi uma seleção com mais variantes táticas, e isso tem muito a ver com a característica dos jogadores. E ela esteve muito completa dentro do que penso de futebol. Não pensamos só na parte ofensiva, acho que a seleção esteve bem na proposta de recuperar a bola no campo do adversário, e isso exige a participação de todos, inclusive dos dois (Kaká e Oscar). Então, acho que o grande ganho foi nisso e o entrosamento vai aumentar com a repetição”, afirmou.

No ataque, Hulk parece se firmar cada vez mais, o que deixa a seleção sem um homem de referência. O próprio Mano Menezes confirmou que a tendência é atuar sem um centroavante, mas admitiu que sempre terá no grupo um jogador com essas características para mudar a forma de jogar ao longo das partidas.

“Nos últimos jogos temos jogado dessa forma, sem atacante fixo, e estou satisfeito. Mas é óbvio que não vamos jogar só assim, não é possível resolver todos os jogos assim. Por isso teremos sempre um centroavante no grupo. É importante ter a opção de jogar de maneiras diferentes”, declarou.

Com esta manutenção da base, o treinador brasileiro espera que a seleção faça novamente uma boa atuação e passe pela perigosa Colômbia do atacante Falcao Garcia, terceira colocada das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2014. “Será um dos jogos mais difíceis do ano, contra uma equipe sul-americana com características que também temos. Tem mais rivalidade nesse tipo de jogo. É um adversário que vai exigir muito e temos que continuar evoluindo para lutar por mais uma vitória e uma boa atuação”.
.................................................................................................................................
.